Relato sobre o Trabalho de Campo “Paisagem e Cultura: um olhar sobre a Baixada Campista”, realizado em 31/10/2014

Aconteceu nesta sexta-feira, 31/10/2014. o Trabalho de Campo Paisagem e Cultura: um olhar sobre a Baixada Campista, ministrado pelo Prof. Hélio Coelho (UFF/CAMPOS). Este é um relato parcial, que pretende ser enriquecido com as contribuições dos demais participantes da atividade. A saída foi às 8:30h da UFF/CAMPOS, com a presença de 23 participantes, mais o ministrante e mais o coordenador do GEOHISTÓRICA, Marcelo Werner da Silva, totalizando 25 pessoas.

701
O prof. Hélio Coelho realizando explanações durante o trabalho de campo

Serão aqui destacados os pontos de parada e algumas fotos ilustrativas do mesmo. O primeiro ponto de parada foi na Casa de Cultura “José Cândido de Carvalho” (http://camposturismo.com.br/2509_casa-de-cultura-jose-candido-de-carvalho), localizada na antiga estação ferroviária de Goytacazes, distrito de Campos dos Goytacazes. José Cândido de Carvalho foi um grande nome da literatura campista e nacional. A casa de cultura foi inaugurada em 1987 com a presença de José Cândido de Carvalho.

De Goytacazes fomos até o Solar da Fazenda do Colégio dos Jesuítas do Rio de Janeiro, construído entre 1650 e 1690 pelos Irmãos da Companhia de Jesus do Rio de Janeiro e que atualmente é a sede do Arquivo Público da Cidade de Campos dos Goytacazes (http://www.arquivodecampos.org.br). No tempo dos jesuítas a fazenda contava com cerca de 1.200 escravos, o que dá uma idéias de sua grandeza econômica.

O Arquivo estava fechado, devido à feriado municipal. Maiores informações sobre o Solar do Colégio podem ser obtidos em: <http://www.museusdorio.com.br/joomla/index.php?option=com_k2&view=item&id=75:solar-do-colégio-arquivo-público-municipal-de-campos-dos-goytacazes&Itemid=219>.

Em seguida nos dirigimos para o distrito de Campo Limpo, onde se encontra a Igreja de N. S. do Rosário.

A próxima parada foi no distrito de São Sebastião, em que visitamos a igreja de São Sebastião.

No próprio distrito de São Sebastião está a ArteCerâmica Sardinha, cerâmica de Rodolfo A. Gama, que gentilmente nõs recepcionou e discorreu sobre o processo produtivo, os métodos de manejo da argila e muitas informações importantes para o entendimento de uma cerâmica e das cerâmicas do município.

Após a visita à cerâmica, o Sr. Rodolfo nos levou para uma visita ao Sindicato da Indústria de Cerâmica para Construção de Campos, onde fomos recepcionados com um lanche.

IMG_0162
No caminho cruzamos com muitas cerâmicas, atualmente a atividade principal da Baixada Campista
IMG_0166
Sindicato da Indústria de Cerâmica para Construção de Campos, localizado no distrito de Goytacazes (Campos dos Goytacazes/RJ)

A próxima parada foi o Mosteiro de São Bento, importante construção e que foi fundamental na ocupação da Baixada Campista.

No caminho para o farol, fizemos uma pequena parada na estação ferroviária de Mussurepe.

Após essa parada nos dirigimos ao Farol de São Tomé. Na entrada existe o portal abaixo.

IMG_0206

No farol nos dirigimos ao Restaurante Alambique do Leley, onde almoçamos. Além de um excelente almoço, produzem a que, segundo Hélio Coelho, é a melhor cachaça de Campos.

Após o almoço fomos visitar o Farol de São Tomé, administrado pela Marinha do Brasil, onde recebemos algumas informações sobre a utilidade do farol para a navegação por parte de oficiais e suboficiais da Marinha.

Saindo do farol passamos rapidamente pelo local de estacionamento da frota pesqueira do Farol, curiosa pelo método para entrar e sair da água através de tratores.

Saindo do farol nos dirigimos para o distrito de Santo Amaro, último ponto do Trabalho de Campo.

 

 

Um comentário sobre “Relato sobre o Trabalho de Campo “Paisagem e Cultura: um olhar sobre a Baixada Campista”, realizado em 31/10/2014

  1. Pingback: Atividade de campo pela Baixada Campista | GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS DE GEOGRAFIA HISTÓRICA

Os comentários estão desativados.