Relato da Discussão do Tema 2 do Ciclo de Debates de Geografia Urbana Histórica, realizado em 11/09/2014

Foi realizado no dia, 11/09/2014 das 9 às 12 horas, na sala 205 do Bloco C, a 2ª reuião do Ciclo de Debates de Geografia Urbana Histórica (homenagem a Maurício de Almeida Abreu). Na ocasião foi discutido o artigo A longa duração, de Fernand Braudel, apreesentado pelo Prof. Martins Virtuoso.

Abaixo reproduzimos o relato da reunião realizado por Nathalie:

Ciclo de Debates de Geografia Urbana Histórica

Relatório referente ao debate realizado no dia 11/09/2014. Tema 2 – A Longa Duração, de Fernand Braudel, apresentado por Anadelson Martins Virtuoso.

Marcelo comenta sobre a dinâmica do GEGH quanto aos livros debatidos nos grupos anteriores. Martins executa sua apresentação e propõe o debate, comentando que socialmente a Geografia traz uma contribuição muito grande. Marcelo ressalta que as pessoas que estão iniciando o curso de geografia não têm muita noção da contribuição de Fernand Braudel e que ele possui uma linguagem quase poética. Cita o exemplo d fim da URSS. 70 anos de comunismo não alteraram a cultura e a sociedade, é preciso considerar o tempo de longa duração e mudança de gerações para a mudança efetiva. Um participante ressalta a importância das ciências sociais fazerem um trabalho coletivo e cita uma frase do autor “No momento urge nos aproximarmos uns dos outros.”, e finaliza afirmando que as áreas do conhecimento ainda estão muito segmentadas. Outro participante contrapõe que há um pouco de otimismo quando falamos da maior interação das ciências sociais em tempos futuros. As pessoas estão cada vez mais se individualizando devido a essa pluralidade.  Outro participante comenta que o conhecimento é uno, mas sempre há a possibilidade de pensar de uma forma diversificada. Colocando o conhecimento em áreas como um grande gaveteiro, dessa forma, a noção de totalidade se perde. Também critica o rigor da academia em sempre estudar e restringir o objeto de estudo. Os silenciosos são os que não estão sendo percebidos. É preciso se aproximar mais do povo, do cotidiano do homem para melhor entendimento da História, a academia está muito engessada. Martins faz um questionamento sobre quais seriam os limites do capitalismo, a individualização e competitividade são intrínsecos ao capitalismo. Quanto a essa competição, que faz parte do próprio sistema, percebemos como isso pode ser nocivo e afasta as áreas do conhecimento. O real é muito mais amplo, complexo e abstrato do que parece. Termina sua fala elogiando o desempenho do grupo por executar essa discussão de forma tão natural. Marcelo agradece a presença de todos, encerra o debate e divulga o próximo encontro, que acontecerá no dia 25/09/2014 e debaterá o tema 3 – A apropriação do território no Brasil colonial, de Maurício de Almeida abreu.  Participaram do debate: Hélio Coelho,  Dilcilea Pereira Mota,  Vanessa da Silva Gomes,  Libânia Nascimento,  Kethurin Maia Imbeloni, Pâmela de Souza da Cruz,  Helio dos Santos Passos,  Mariana Mendes, Camilla Ribeiro Leal, Lázaro Dias Alves,  Luana Aparecida Castro Firmino,  Joílson Serra da Silva,  Gabriele Damasceno Simões,  Marcelo Werner da Silva,  Anadelson Martins Virtuoso,  Gabriel Olavo Francisco Forti,  Karlany Brandão e Nathalie Monteiro Dias.

Abaixo algumas fotos da reunião:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em 10º GEGH 2014-2, Grupo de Estudos de Geografia Histórica

Os comentários estão desativados.